Sejam Bem Vindos ao Zayn News Brasil, a sua melhor e mais completa fonte sobre o cantor Zayn Malik no Brasil. Fique a vontade para desfrutar de todo o nosso conteúdo e explorar a nossa galeria de fotos, também nos acompanhe nas redes sociais para ficar ainda mais informado sobre tudo o que envolva o Zayn. Esperamos que gostem do nosso site e voltem sempre a nos visitar!
Zayn para INTERVIEW Magazine
20.02.2018
Compartilhe com seus amigos!

Sendo capa de revista pela segunda vez em 2018, agora para revista germânica Interview, Zayn posou para o renomado fotógrafo Bruno Staub em fotos totalmente preto e branco com fundo neutro usando uma blusa branca da grife Louis Vuitton seguindo o objetivo simplista do editorial. Ainda Malik concedeu uma breve entrevista falando um pouco de suas plantações, família e também nos falou o que podemos esperar do seu segundo álbum. Confira a matéria completa e traduzida abaixo:

HARALD PETERS: Vamos começar com o tema mais importante, a horticultura!

ZAYN: Sim, eu gosto de trabalhar um pouco no jardim, haha. Atrás da minha casa em LA, tenho uma área onde eu planto frutas e vegetais. É muito gratificante ver como os frutos crescem.

HP: O que têm lá?

Z: Por exemplo, tenho maçã, laranja e limoeiros. Eu só tenho que sair e pegar a fruta. Como não é tratado, a qualidade é, obviamente, imbatível. Mas agora estou na costa leste. É um pouco mais difícil criar coisas aqui.

HP: Você se mudou para Nova York?

Z: Na verdade, estou viajando de lá para cá, agora estou principalmente em Nova York porque é aqui que meu trabalho está. Mas o clima é diferente, não é realmente ideal se você quiser plantar tomates.

HP: Você costumava ajudar seus pais no jardim em BradFord, quando criança? 

Z: Minha mãe trabalhou muito no jardim, e eu frequentemente a assistia. Mas eu era mais um observador não estava envolvido. Se a tivesse ajudado, provavelmente teria arruinado tudo. Eu era muito jovem então. Mas agora que eu sou mais velho, eu gosto disso.

HP: você costuma ver sua família?

Z: Honestamente, faz um tempo que não vou a Bradford. Mas estou sempre em contato com meus pais e o resto da família pelo telefone e Facetime. Na verdade, falamos todos os dias. Gostaria de visitá-los mais vezes na Inglaterra, mas estou muito ocupado com novo álbum.

HP: Do novo álbum, não sabemos o título nem a data de lançamento, muito menos sobre as músicas… Devemos falar sobre isso com urgência.

Z: Sim, vamos fazer isso!

HP: Então, vamos lá!

Z: Então, em geral?

HP: Como preferir!

Z: Ok. Então comecei a trabalhar no novo álbum logo que terminei o primeiro. Foi um processo contínuo, eu simplesmente continuei escrevendo e escrevendo e talvez passei um pouco mais do que um ano no estúdio. Estou muito orgulhoso do resultado, há algumas músicas muito boas nele. Estou curioso sobre o que os fãs irão dizer. Tentamos algumas coisas novas, novos estilos, novas colaborações.

HP: Quais são as principais diferenças entre o primeiro álbum?

Z:  O álbum continua sendo feito por mim. Foi mais uma evolução, porque agora tenho mais conhecimento do que antes. Estou mais velho, e esperançosamente, minhas letras melhoraram e estou mais experiente como compositor. Você poderia dizer que o novo álbum está um pouco melhor que o primeiro.

HP: Como um dos produtores do álbum, você trabalhou o Timbaland, que uma vez também ajudou a carreira solo de Justin Timberlake.

Z: Sim, ele nos perguntou se gostaríamos de conhecê-lo. Então fomos para o estúdio. Ele é um cara muito legal. Ele disse que se eu tivesse alguma ideia, eu deveria avisá-lo. Então enviei-lhe alguns vocais que gravei no telefone. Ele fez uma música completa com isso, o que foi legal.

HP: Quando o álbum de estreia foi lançado, em vez de fazer turnês com o álbum, você preferiu ficar em casa.

Z: Sim, eu não queria ir no palco e apenas tocar um álbum.Eu quero fazer um show espetacular e reproduzir hits. As pessoas devem ser entretidas do primeiro ao último minuto, mas isso não funciona se você tiver apenas algumas de músicas. Acho que, com o novo álbum, eu tenho músicas suficientes para juntar.

HP: Eu acho que foi uma decisão sábia, em não fazer shows.

Z: Obrigado, é legal que você diga isso. A pressão era muito alta.   Tinha acabado de deixar a maior banda do mundo e constantemente tive que justificar por que eu tinha parado tão rápido e tão de repente. Isso foi um pouco demais. Mas agora estou pronto para fazer o meu.

HP: Eu acho que seu público também precisou da distância. Eu vi um concerto de um dos seus antigos colegas e posso dizer que os fãs não estavam entretidos com a música. Ele tentou fazer algo novo, mas a audiência não escutou,  e apenas ficavam gritando, gritando e gritando. Foi triste de certa forma.

Z: Eu posso imaginar isso.

HP: Como é ser confrontado com um público que grita constantemente? Isso acaba com o show, certo?

Z: Não. Nem tanto. Quero dizer, houveram dias na One Direction onde eu não sentia vontade de entrar no palco, mas é assim com qualquer outra pessoa trabalhando: você nem sempre sente vontade de trabalhar. Mas, quando entramos no palco e conseguimos uma reação dessas, a adrenalina entra e eu simplesmente gosto disso. Cantar na frente de uma audiência é divertido, mesmo que eu nem sempre tenha sido capaz de mostrar minha diversão, como você pode ver em várias gravações de shows no YouTube, onde estou perdido com uma expressão ausente, haha.

HP: E como é ser gritado na rua?

Z: Isso é estranho. Eu me reconheço como uma pessoa extrovertida que é introvertida. Quando estou no palco, eu gosto de ser o centro das atenções, mas no meu dia a dia prefiro as coisas simples, tento ser discreto e fazer minhas coisas, ser o mais normal possível.

HP: Há uma cena épica no YouTube do The X Factor. Você deveria dançar, mas você não quer que Simon Cowell venha e convença você a fazê-lo. Isso foi encenado, certo?

Z: Não, não foi. Eu realmente não queria dançar e me senti realmente desconfortável quando de repente tive que fazê-lo. Ao meu redor estavam estudantes da Escola BRIT ou outras escolas de teatro que já tinham aulas de dança. Mas eu não fazia ideia de tudo isso. Era demais para mim, estava muito perto de arrumar minha mala e sair. E então eles me convenceram, eles disseram, que pelo menos eu deveria tentar. Eu acho que não é possível ver na gravação, mas o Simon me disse: “Eu faço milhões de dólares no ano, e não danço. Pelo menos me mostre que é capaz.” Aos 17 anos, isso me convenceu imediatamente. Então voltei ao palco e mostrei-lhes. Mas a dança nunca foi meu forte, e ainda é assim hoje.

HP: Mas você não estava tão mal na época.

Z: Não, não foi uma catástrofe, sou músico e tenho uma noção de ritmo, é claro. Mas eu apenas me sinto inseguro quando danço, e quando me sinto inseguro, eu costumo deixar as coisas para lá.

HP: Por que todas as estrelas pop pensam que são obrigadas a dançar?

Z: Exatamente. E onde está o foco na música?

HP: Por isso todos usam playback.

Z: Certo. É impossível cantar e dançar ao mesmo tempo. Fisicamente isso não funciona. Nossos corpos não foram feitos para isso.

HP: Você deve fazer uma turnê em breve portanto não veremos você dançando.

Z: Não, sem dança. Mas, eu estarei me movendo pelo palco, haha.

HP: O que você se tornaria se o Simon Cowell não tivesse o convencido a tentar dançar? Se você tivesse arrumado suas malas e a One Direction não tivesse sido formada, pelo menos não com você?

Z: Eu provavelmente não tentaria ser um músico. Mas naquela época, eu era muito jovem então, eu falo limitadamente sobre mim mesmo aos 17 anos. Pelo menos, eu gosto de pensar que teria feito isso de uma maneira ou de outra. E mesmo que eu tivesse falhado, eu tenho muitos outros interesses. Eu gosto de desenhar e como eu sempre digo, eu tenho um pouco de talento artístico e leio muito. Sempre li muito. Eu provavelmente seria um professor.  Primeiro um professor de inglês e depois um lecionador. Talvez não seria dessa forma, quem sabe?

HP: Que tipo de música você anda escutando?

Z: Umas antigas, eu não escuto muito as músicas novas. Não porque sou esnobe. Têm muita música nova boa, eu apenas as evito quando estou no estúdio. Não quero ser influenciado por elas. Se você constantemente escuta as músicas que estão nas paradas, inevitavelmente você as terá em mente e irá se referir a elas.  Embora, eu tenho que dizer que você não consegue as evitar inteiramente, mas eu tento. Por isso que eu escuto as coisas que me influenciaram quando criança, e tento transferir esses sentimentos em minha música.

HP: E quais são suas influências de quando criança?

Z: Sam Cook, bastante Beatles, Jimi Hendrix e Bob Marley. E também muito do Frank Sinatra, basicamente os grandes cantores. Sempre me interessei pelas vozes.

HP: Você acha que eles influenciaram suas músicas?

Z: Espero que sim, mas eu não digo que sou tão bom quanto os artistas que mencionei, haha.

HP: Tem uma música bem curta em hindi no seu álbum de estreia. Isso também te influenciou?

Z: Com toda a certeza. Eu gosto do estilo sufi de artistas como Nusrat Fateh Ali Khan e Rahat Fateh Ali Khan porque essas músicas têm alma. Além disso, muitos dos meus fãs são dessa parte do mundo. Eles entendem essas músicas, eles sabem como é suposto soar e eles gostaram de “Intermission” do meu álbum. Primeiro fiquei com dúvidas sobre como as pessoas a iriam receber, mas a reação foi positiva e sou imensamente grato por isso. Por isso teremos mais disso no novo álbum.

HP: Foi o tipo de música que você cresceu ouvindo?

Z: Definitivamente! Eu escutava muito das músicas Bollywood quando criança, e assistia muitos filmes Bollywood. Foi parte da minha vida, assim como a cultura britânica. Hoje em dia, tento combinar ambas porque são partes de mim.

HP: Há uma coleção cápsula sua com a Versus Versace. Isso foi coisa de apenas uma vez?

Z: Sim, foi coisa de uma vez. Foi uma ótima oportunidade para os meus interesses na moda com a ajuda de uma renomada marca. De forma que todos pudessem ver minhas ideias. No futuro espero ter minha própria coleção com meu nome. Nós estamos explorando as possibilidades no momento, isso será muito legal.

HP: Como é exatamente o processo de criação?

Z: Eu desenho e passo para os designers profissionais. Parece que eles gostaram das minhas coisas, haha.

HP: Então você esteve ativo no desenvolvimento da coleção?

Z: Claro. Eu desenhei tudo, desenhei as coisas, até mesmo os detalhes, decidi as cores e as pessoas da produção tiveram a ideia como deveria ser feito.

HP: Na maioria das vezes a única coisa que as estrelas contribuem em uma coleção é deixando colocar seus nomes nela.

Z: Você quer dizer, quando alguém lança uma coleção com propósitos de publicidade? Não, não foi assim comigo. Sempre me interessei pela moda e também gosto de desenhar. Então, pensei que seria uma boa ideia combiná-los.

HP: Você também faz roupas para si mesmo?

Z: Eu corto as coisas, deixo mais curtas, longas, folgadas ou apertadas e remendo as coisas. Basicamente, faço tudo que você poderia fazer com uma agulha e linha.

 

HP: Você está me dizendo que pode costurar?

Z: Sim, mas apenas manualmente. Não sou muito bom com a máquina de costura. Você precisa de diferentes habilidades para usá-la.

HP: E atuação seria uma coisa com a qual você se sentiria confortável?

Z: Absolutamente, se eu conseguir o papel certo. Você deve ser cuidados, principalmente quando você escolhe o primeiro papel. Tem que ser um que eu me orgulhe, e não algo meia-boca. A atuação também é uma grande obrigação em termos de tempo, leva sempre alguns meses para fazer um filme. Mas de verdade, está dentro dos planos.

HP: Até acontecer, você pode continuar a filmar vídeos tão bonitos como “Still Got Time ft. PARTYNEXTDOOR”.

Z: Você gostou dele?

HP: Não conheço nenhum outro vídeo com tanta fumaça.

Z: Haha! Sim, esse foi o meu momento de rockstar.

HP: Havia um crocodilo no vídeo também.

Z: Isso mesmo, o crocodilo no jardim. E um macaco no meu ombro, como convém a uma estrela do rock.

O novo álbum do Zayn está previsto para ser lançado no primeiro trimestre de 2018!

 

 

 

Fonte: Interview Magazine

Tradução & Adaptação por: Equipe Zayn Brasil

Arquivado em:   Uncategorized